Pai/mãe não é visita. Filho não é propriedade dos genitores.

O filho é um ser único em formação, gerado para unir e não separar, para ser amado e não disputado.

Os interesses da criança ou adolescente devem prevalecer em qualquer hipótese. Os pais têm direito de conviverem com
seus filhos e os filhos de conviverem com seus pais. Não se trata apenas da garantia constitucional de convivência
familiar mas sim da garantia de bem-estar emocional e de um desenvolvimento saudável.

Qualquer dos genitores que impede ou dificulta a convivência do outro com o filho, injustificadamente, pratica
alienação parental e, por isso, deve indenizar aquele que está sendo privado do convívio com a criança.

Além disso, uma outra possível medida a ser tomada pelo juiz, é a redução ao direito de permanência da mãe/pai com o
filho.

Para isso, é necessário que à alienação parental seja comprovada, o que será analisado no processo, com ajuda de
especialistas. Qual a sua opinião sobre isso? Você já passou por essa situação?

Você também pode se cadastrar em nossa newsletter ou nosso RSS Feeds.

Comentários Facebook

OUÇA NOSSO PODCAST
GRUPO TELEGRAM