Cresci ouvindo a expressão “rebelde sem causa” usada para definir jovens que se rebelavam sem terem a mínima ideia do porque ou sem deixar claro seus motivos, mas quando pensamos em adolescentes alienados o termo “vingador sem causa” cai muito bem.

Eles querem se ‘vingar’ do genitor alienado e nem sabe porquê. É ódio pra cá, ódio pra lá que nem o ‘vingador’ sabe explicar de onde vem.

Os rapazinhos parecem se alimentar do discurso do genitor guardião com quem se sentem visceralmente ligados como se fossem gêmeos siameses. O pacto de lealdade é tão intenso que uma imagem negativa do genitor ausente é absorvida por completo apenas pela fala do guardião.

O genitor alienante tem o poder de ‘abrir o cérebro’ do filho implantar falsas memórias e de uma hora para outra aquela coleção de mentiras passam a ser sentidas como verdades vividas e o adolescente vingador sem causa passa a odiar e a se distanciar de forma abrupta do genitor alienado.

O alienador impõe uma orfandade ao filho e este aceita sem questionamentos e como se fosse um menino robô mata o pai internamente e passa a viver sem ele ‘muito bem obrigado’.

A repulsa é internalizada pelo filho de forma categórica e no ápice do processo manipulatório a criança passa agir independentemente da influência do manipulador como se todas as mentiras e fantasias criadas pelo manipulador fossem espontaneamente construídas por meio de vivencias do próprio infante que DEFENDE o alienador com unhas e dentes.

De nada adianta perguntar para o ‘vingador sem causa’ o porquê de sua antipatia pelo genitor alienado ou por sua nova esposa, porque, ele não sabe responder. Seus discursos são pobres, repetitivos e superficiaisdando mostras de que o menor apenas repete algo que lhe foi dito inúmeras vezesÉ como se de tanto ouvir tivesse decorado. Na verdade, ele “empresta” falas, lembranças, cenas, expressões que são do genitor alienador.

O filho vitima se identifica de tal maneira com o genitor agressor que recusa toda e qualquer ajuda exterior. Não adianta, por exemplo, pedir para avós, tios, primos (parentes do alienado) conversar com o pequeno ‘vingador sem causa’, pois, isso o deixará ainda mais irado.

Se perguntarmos para o ‘vingador sem causa’, porque ele não vai na casa do pai a quase três anos, ou, porque, não telefona ou não atente ligações ou não retorna mensagens, ele não saberá explicar e tentará a todo custo fugir da conversa.

Nas redes sociais encontramos centenas de fotos do ‘vingador sem causa’ abraçado de forma patológica com o genitor alienante. Muitas vezes parece mais pose de namorado ou de protetor do que de genitor/a – filho.

Reparem nos olhos dos vingadores sem causa. Eles perderam o brilho e são opacos. Será que isso é típico de meninos zumbis?

Mudanças bruscas no rendimento escolar estão por trás de quase todos os ‘vingadores sem causa’. Se estão na escola pública, só não reprovam, porque, o país tem uma maluca matemática que no final dá média para todos que fracassaram no ano letivo.

Dia desses um pai enviou o Boletim Escolar do filho. As notas de determinada matéria eram três no primeiro bimestre, dois no segundo, quatro no terceiro e três no quarto, totalizando 12 pontos que a escola deveria dividir por quatro e tudo que fosse média menor que cinco deveria reprovar o aluno, mas não é assim que acontece na prática. O adolescente teve seis matérias onde a soma das notas dava no máximo 15, no entanto, a escola fechou suas médias todas com notas cinco e ele foi aprovado para série seguinte e a escola chama isso de ‘avanços sucessivos e sem interrupções nas séries, ciclos ou fases’.

Os ‘vingadores sem causa’ ficam alterados psiquicamente e têm sentimentos de raiva, tristeza, agitação, e muitas vezes apresentam condutas delinquentes e agressivas. Ouvem músicas que são verdadeiras apologias ao crimepostam insultos e provocações ao alienado nas redes sociais, mas nem tentem responder, porque, o ‘vingador sem causa’ vai DEFENDER INCONDICIONALMENTE o alienador. O vínculo patológico entre eles não permite enfrentamento racional de nenhuma situação que coloque o alienador sob críticas.

Filho e alienador se tornam unos, inseparáveis. O acusado passa a ser considerado um invasor, um intruso a ser afastado a qualquer preço. Este conjunto de manobras confere prazer ao alienador em sua trajetória de promover a destruição do alienado.  

Pobres ‘vingadores sem causa’ não podem exercer seu direito de amar os dois, de querer estar com os dois genitores.  São induzidos a excluir um de seu referencial de afeto e a considera-lo seu inimigo.

Incalculáveis e Inimagináveis são os dois adjetivos que melhor definem as consequências da alienação parental. Genitores amados antes do divórcio se tornam aberrações, monstros indignos de confiança e crianças ou adolescentes inteligentes e seres pensantes se tornam do dia para noite indivíduos com habilidade de avaliação restrita consequentemente um alvo facilmente manipulável, mas não se percebem influenciados.

O que será dos ‘vingadores sem causa’ quando com a maturidade vinda através dos anos vividos perceberem que passaram a vida se vingando injustamente?

Só o tempo dirá……….

texto do blog de Liliane Santi

Você também pode se cadastrar em nossa newsletter ou nosso RSS Feeds.

Comentários Facebook

GRUPO WHATSAPP OUÇA NOSSO PODCAST
GRUPO TELEGRAM GRUPO FACEBOOK