Só as vítimas do/a alienador/a parental sabem a violência psicológica a que são submetidos diariamente.

Viver sob a pressão do alienante é exaustivo! O alienado NUNCA sabe o que vai acontecer quando for buscar o filho: xingamentos, gritos, acusações, quebra de objetos, tapas, socos, etc.

Dos filhos podemos dizer que são vítimas de violência doméstica. As agressões intrafamiliar incluem: violência psicológica e muitas vezes abusos físico também.

Tanto se fala em violência doméstica contra a mulher, mas violência vai muito além da agressão física ou do estupro e muito diferente do que se pensa, os homens comumente têm sido vítimas de violência patrimonial, física, moral e psicológica.

Apesar de não deixar marcas físicas evidentes, a violência psicológica é também uma grave violação dos direitos humanos, que produz reflexos diretos na sua saúde mental e física.

  • A violência física é entendida como qualquer conduta que ofenda a integridade ou saúde corporal.
  • Violência psicológica é entendida como qualquer conduta que cause dano emocional e diminuição da autoestima ou que prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação”.
  • Violência patrimonial é entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades.
  • Violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.

Da mesma forma que a alienação parental é cometida por homens e mulheres, as agressões também partem dos dois sexos e cada vez mais temos encontrado pessoas do sexo feminino cometendo violência física, psicológica, patrimonial e moral.

Muitas agressões acontecem em forma de xingamentos e ferem diretamente a moral da vítima que geralmente é o/a ex.

 “Porco/a”, “vagabundo/a”, “drogado/a”, “bêbado/a”, são apenas algumas das dezenas de palavras bastante usadas pelos agressores como forma de rebaixar o/a ex parceiro/a.

Causar constrangimento indo, por exemplo, no local de trabalho do/a ex companheiro/a para humilha-lo/a é também violência psicológica.

É comum que os primeiros sinais da violência apareçam ainda na constância do casamento. O conjugue dominador geralmente controla as ações e comportamentos do outro. É comum que o/a alienador/a quando ainda casado/a comece a proibir o/a companheiro/a de ir na casa de familiares, amigos e até mesmo na igreja.

A sensação de isolamento e vigilância constante faz a vítima se sentir sufocada, oprimida e acuada.

Os danos emocionais são irreversíveis. Só de ver o número do algoz chamando ao telefone causa dores de estômagos em algumas pessoas. Para os que já se separaram o dia de buscar o filho para convivência desencadeia uma série de sintomas psicossomáticos como, diarreia, enjoo, vômitos, sudorese, dor de cabeça.

Basta ouvir o nome do agressor pra muita gente ter a pressão arterial alterada e ver em frações de segundos todo filme de terror das situações passadas.

Os que já foram perseguidos nos dias de retirada da criança ficam com ‘paranoia persecutória’ e passam a olhar no retrovisor várias vezes por minuto.

Alguns agressores estendem a ira contra novo marido ou nova esposa do/a ex parceiro e acabam não só xingando como partindo para vias de fato.

Muitos advogados contribuem para violência patrimonial quando instruem o cliente a ‘desidratar’ o outro financeiramente. Um exemplo claro disso acontece com homens bem sucedidos financeiramente que eram sócios das esposas no negócio familiar e que com a ruptura do casamento a empresa por algum motivo foi desfeita e o sujeito ficou desempregado.

A ex para manter o padrão de vida dos filhos pede, por exemplo, 30 ou 40 salários mínimos como é o caso de dois pais do nosso grupo, mas, não informa ao judiciário que no momento atual ele não tem condições de pagar, porque, o comercio foi fechado.

Elas juntam o imposto de renda ou extrato bancário do ano anterior e juiz defere a absurda pensão. Homem recorre, juiz baixa pra 15 salários. Pai não consegue pagar e é preso e seus bens, inclusive os de quando era solteiro são bloqueados. Isso é violência patrimonial!

Outras chantageiam dizendo ou paga tal valor e me dá o carro e o apartamento da praia ou NUNCA mais irá ver seus filhos, porque, vou me mudar com eles para Portugal, país onde vivem meus pais.

A manipulação de situações também está intimamente ligada a alienação parental e é uma violência psicológica e as vítimas principais são os filhos que se veem acuados diante do genitor dominador.

Tenho visto crianças com olhares amedrontados que se ousarem olhar para o genitor alienado são imediatamente humilhadas e oprimidas pelo possessivo e opressor alienador.

Os filhos são pressionados a se comportarem como o alienante deseja. Seus direitos não são respeitados pelo invasivo e dominador genitor alienador.

O dano emocional causado é intenso e a criança fica com a auto estima extremamente diminuída e muitas vezes se isola recusando qualquer tipo de contato social que não seja com genitor alienador e seus parentes próximos como avós, tios e primos. Seu desenvolvimento emocional é grandemente afetado e muitas vezes apresentam comportamentos regredidos para idade cronológica.

Sequer pelo telefone a criança ou adolescente pode falar com a parentela alienada, porque, a vigilância do alienador é constante. Se a criança atende o fone tem que repetir o que o alienador está falando baixinho e mandando ele falar (muitas vezes o assunto envolve dinheiro extra ou presentes caros)Se a criança ou adolescente não se saiu bem na ligação será insultada, diminuída e ridicularizada e para não passar mais por esse tipo de constrangimento ela opta por não falar mais com o genitor ausente.

Essa opressão faz mal à saúde psicológica dos envolvidos. Pais e filhos perdem totalmente o senso de autodeterminação para fazerem as coisas do cotidiano, porque sabem que vão tentar e dará errado por causa dos empecilhos impostos pelo alienante que limita inclusive o direito do filho de conviver com toda sua parentela.

A alienação parental é um ESTUPRO psicológico, porque, ninguém quer, mas é forçado através da violência psicológica a se ‘afastar’ do filho.

A definição poderia ser: ‘O estupro psicológico é uma prática desconsensual, imposta por meio de violência psicológica grave e ameaça de qualquer natureza e ainda imposta contra pessoas incapazes como crianças, por exemplo’, e por isso, deve ser criminalizada!

texto do blog de Liliane Santi

Você também pode se cadastrar em nossa newsletter ou nosso RSS Feeds.

Comentários Facebook

GRUPO WHATSAPP OUÇA NOSSO PODCAST
GRUPO TELEGRAM GRUPO FACEBOOK